Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

UM PAR DE BOTAS

UM PAR DE BOTAS

SERRA NEVADA

HECHO!!!

 

Quarta-feira, 6 de Junho de 2007, 23h30.

O Tempestade começa a apanhar os “companeros” para levar em excursão à Serra Nevada.

O automóvel está cheio, de mochilas, catrefada de gente, euforia, ansiedade, e vontade de comer quilómetros e montanhas. Eles e elas que venham!!!

 

Ao fim de cinco horas de viagem, cerca de seiscentos quilómetros andados e já em território espanhol, só sobra música dos U2 que teima em manter semi-abertos os quatro pares de olhos, barrigas fartas e uma caixa de caroços de cerejas.

 

Que bela paisagem andaluza se começa a vislumbrar, quando o céu se torna de azul rosado e o sol começa a esticar os seus quentes raios de luz em toda a extensão! Finalmente a planície dourada!

 

Quinta-feira, 7 de Junho, às dez da manhã, hora local, estamos a parar para a tão ansiada e desejosa  pausa..... na PRAIA!!!!!

Tratou-se de uma decisão extremamente difícil de tomar, bem ponderada, delineada e decidida em conselho botista. Mas de facto o cansaço obrigava a uma pequena pausa para despertar. Afinal, só estávamos a cerca de trinta quilómetros do sopé da grande montanha.

Permitimo-nos um luxo... um banho de mar mediterrâneo durante a manhã e à tarde uma subida aos 2.500 mts de altitude com vistas para a neve.

 

E foi com odor a maresia que nessa tarde solarenga iniciámos a pé a aventura na Serra Nevada aos 2.200 mts de altitude.

Pessoalmente fiz questão de desviar o pensamento da praia e da leveza da água turquesa mediterrânica, quando comecei a sentir o peso dos cerca de trinta e cinco quilos que levava em cima do corpo e olhei para a placa de início do trilho que nos levaria até ao Refúgio de Poqueira a 2.500 mts de altitude e a cerca de nove quilómetros de distância. De repente imaginei que a balança me tinha enganado e afinal a mochila pesava uma tonelada!

Sinceramente tive a sensação de que o corpo queria voltar para trás e o coração queria caminhar em frente. A razão acabou por se impor, mas entretanto no meio deste conflito interior, já os outros três se tinham posto a marchar furiosamente monte acima, para minha angústia. Como é que eles conseguiram encontrar tanta vontade?

 

O refúgio que se nos deparou ao fim de quase duas horas e meia de caminho, mais fazia lembrar uma mansão perdida no meio do monte, perfeitamente integrada na paisagem e de olhar vigilante para o fundo do extenso vale do Poqueira.

Após voltar a ajustar o ponto de gravidade do corpo ao normal, quando larguei literalmente a tonelada que tinha às costas, foi possível beber então um pouco mais daquela paisagem Alpujarreña, como lhe chamam os locais. O silêncio numa paisagem campestre é fantástico, mas quando paramos de andar, de mexer, de respirar, e nos conseguimos até alhear do próprio bater do coração, aquele toma uma dimensão estranha. Quase parece que a natureza nos fala através da terra! Num tufo de ervas que suavemente ressoa à nossa esquerda com a aragem que corre..., uma ave que pia por cima de nós..., uma cabra montesa que quase imperceptivelmente remexe a terra lá mais em baixo à direita, enquanto pisa pequenas pedras de xisto... Coisas que não vemos, mas conseguimos olhar... é esta a magia que se consegue ter, quando paramos.

 

De refúgio temos mais do que precisamos, num contexto de conforto e que mais parece um hotel.

Nessa noite, tivemos o dom de ver transformado em comida, aquilo que nós chamamos “plastic food”, ou comida em pó. Quando nos sentámos numa mesa corrida e atacámos o “tacho”. Divinal!

Talvez motivado pela fome que já sentíamos, ou talvez pelo entusiasmo no convívio, ou ainda porque a serra abre o apetite, como alguns dizem... Uma coisa é certa, nunca houve nenhuma vez que eu caminhasse que a comida a seguir não tivesse um sabor mágico!

 

Antes que o corpo berrasse ainda mais, dei uma fugida até à escuridão da “Noche en los Jardines de España”, no alto da serrania.... e Vénus ali estava..., depois de tanta beleza que nesse dia já tínhamos visto... e assim fui para dentro a recordar os Lusíadas de Camões...

 

Sexta-feira, 8 de Junho, 7h30 da manhã, hora local

Após uma noite “reconfortante”, iniciámos a tão ansiada subida ao pico do Mullacén, e tentar também nós roubar o nome ao emir.

Também havida de ser nosso!

E assim ao fim de duas horas de subida, alcançávamos o topo da montanha.

Não é o facto de nos encontrarmos no ponto mais alto de Espanha e da Península Ibérica, que me fascinou, mas sim “admirar” tão grande extensão de território. Ter esse privilégio, a honra de poder olhar, a imensidão do espaço, numa paisagem espraiada. Voar com os pés na terra.

 

Mas como subir a um só cume num dia é muito pouco... afinal, mesmo ali ao lado estava outro gigante à nossa espera, O Alcazaba. Bastava descer um pouco andar mais cerca de duas horas e meia e pronto, mais uma conquista.

Assim foi, e almoçamos no terceiro maior pico da Serra Nevada e da Península Ibérica. Eles que venham! Ahora que lo hemos logrado!

E por falar em España, estavamos a subir este segundo cume do dia, quando ao nosso lado também iam três caminheiros hermanos malagueños, com quem acabámos por partilhar um almoço de confraternização ibérico. Pão, enlatados, salpicão e até... dos botellas de vino de Rioja, que despachamos em três tempos. É claro que houve vivas aos dois paises! Viva Portugal! Olé España!

Na descida, ainda me enganei e subi ao irmão mais pequeno do Alcazaba, a Loma Pelada a cerca de 3.200  metros de altitude,  que ficava de caminho para o refúgio.

 

Sábado, 9 de Junho de 2007, 7 da matina.

Já de mochila às costas partimos em direcção ao segundo maior cume da nossa aventura na Nevada. El Veleta. A cerca de três horas e meia de distância, segundo previsão do guarda do parque. A nossa intenção além de subir lá acima, era reduzir o tempo de percurso. O tempo para o final do nosso feito aproximava-se e ainda tinhamos tantos cumes por conquistar...

O pico do Veleta foi atingido ao fim de duas horas e meia, por caminhos de pé posto, estradões que bordejavam cristas de montanha e trilhos na neve, que ainda resistia ao degelo.

Se subir ao cume dos montes nos alimentava a nossa necessidade de testar a resistência, descer cerca de cem metros em declive de 70%, numa face branca perfeitamente lisa, foi simplesmente... radical. A adrenalina foi puxada ao máximo.

Do refúgio até ao automóvel, novamente, foi um saltinho de mais nove quilómetros e outras duas horas e meia a pé.

 

Assim foi a nossa passagem pela Serra Nevada, e na qual por entre horas de caminhada, quilometros feitos, reflexões pessoais, conversas mantidas, e abraços, conhecimentos travados, nos sentimos mais ricos, não de vaidade com a aventura de termos subido mais alto do que alguma vez tinhamos estado, mas sim, por reconhecermos quão simbólicos somos, quão frágeis, perante tão grande beleza, quer aquela que a natureza nos proporcionou, como aquela que nós nos proporcionámos, através do companheirismo....

 

Aqui dentro, as imagens e sensações que vivemos neste últimos dias fervilham, e não param de me passar à frente dos olhos, a uma velocidade alucinante como flash’s. Sempre com um sorriso na cara.

 

Medronho, excelente a ideia da Nevada para preparar para Marrocos. Testar, aclimatar, preparar, experimentar, prevenir. Sim senhor. Sempre cuidadoso. Mais uma vez, tiro-te o meu chapéu! Amigo!

Muito obrigado também pela tua companhia nas viagens, tanto para lá, como para cá. Se conduzir de noite não é fácil, mas ir ao lado do condutor, sem nada para fazer, toda a noite, acordado é ainda MAIS DÍFICIL. UM ENORME OBRIGADO PARA TI.

 

Galga Montanhas, a tua simplicidade é fantástica! A conversa fácil, , sempre óptimista, A alegria com que vives cada um destes momentos, de facto põe sal e dá gosto a todos os momentos... É fantástica a forma como duma maluqueira nossa, que é em quatro dias percorrer mais de 2.000 kms de carro, percorrer a seguir horas e horas a pé de mochilas às costas, subir ao cimo de montanhas e praticamente sem dormir, tu consegues ter o dom de transforma isto numa coisa séria. Chego à conclusão que de brincadeira de crianças isto não teve nada.

A tua sabedoria é igualmente um ponto de referência para nós. Um farol para nos guiarmos. 

 

Águia Real, mais uma caminhada na tua companhia, mais uma daquelas duronas, onde de facto testamos a nossa resistência, tanto física como psicológica. E mais uma vez tive a prova. É bom caminhar na tua companhia. Sempre fiel, cuidadoso, sensível, amigo do amigo, esforçado, com um excelente sentido de orientação. E um excelente aventureiro, também!!!

 

E como dizem na terra de Cervantes... Hecho! Que venga outro!

Tempestade

publicado às 09:59

Patrocínios

25 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

AGENDA MENSAL

JANEIRO

6 SANTO TIRSO

20 SERRA DA CABREIRA

27-28 SERRA DA ESTRELA

FEVEREIRO

3 SERRA D'ARGA

10 CARNAVAL UPB

17 SERRA DO GERÊS

24 CAMINHA

MARÇO

17 - 20 PICOS DE EUROPA

20 ANIVERSÁRIO UPB

24 GUIMARÃES

31 SERRA DO GERÊS

ABRIL

14 AZURARA - FÃO

21 SENHORA DA GRAÇA

25 - 30 CAMINHO DE SANTIAGO

28 - 30 ALENTEJO

MAIO

1 CAMINHO DE SANTIAGO

1 ALENTEJO

5 SERRA D'ARGA

12 SERRA AMARELA

19 SERRA AMARELA

26 SERRA DO GERÊS

31 ANIVERSÁRIO BLOGUE

JUNHO

1 SERRA D'ARGA

16 SERRA DO ALVÃO

23 VILA DO CONDE

30 SERRA DA ESTRELA

JULHO

1 SERRA DA ESTRELA

7 SANABRIA

20-31 ALPES - TMB

28-31 CAMINHO DO NORTE

AGOSTO

1-8 CAMINHO DO NORTE

4 SENDIM

11 CERVEIRA

18 ESPOSENDE

25 SERRA D'ARGA

SETEMBRO

1-5 PICOS DE EUROPA

15-22 AÇORES

29 SERRA DO GERÊS

OUTUBRO

5-7 COSTA DA MORTE

20 SERRA DA FREITA

27 SERRA DO GERÊS

NOVEMBRO

3 BRAGA

10 MAGUSTO UPB

17 VIANA DO CASTELO

DEZEMBRO

1 CERVEIRA

8 JANTAR DE NATAL

15 MAIA

22 VIZELA

29 SERRA DO GERÊS

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.