Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

UM PAR DE BOTAS

UM PAR DE BOTAS

QUANDO AS DORES PASSAM SÓ FICAM BOAS RECORDAÇÕES

Eram 9h00 da manhã quando em frente à farmácia da vila do Gerês o grupo de caminheiros se reuniu para a segunda caminhada de treino para a subida ao Toubkal. Depois do sucesso de participação do percurso Xertelo – Carris, desta vez reuniu-se um grupo mais humilde (oito caminheiros), mas cheio de vontade de atacar a montanha. As nuvens baixas junto à Vila já permitiam adivinhar que esta iria ser uma caminhada bem molhada, mas como sempre o que tem de ser tem muita força, pelo que pouco depois das 9h00 arrancámos.

 

Iniciámos a subida no início do trilho dos currais junto ao parque de campismo de Vidoeiro e aproveitámos a violenta subida até ao curral da lomba do Vidoeiro para o devido aquecimento muscular.

 

Lá chegados constatámos que a visibilidade já era quase nula. Empreendemos então a segunda subida do dia para o Borrageiro. O caminho, apesar da fraca visibilidade era fácil de seguir na medida em que bastava seguir o trilho, estranhamente perceptível para um trilho na serra do Gerês. Até atravessarmos o vale Teixeira a progressão foi fácil e tivemos a sorte de aí encontrarmos uma casa de pastor que nos permitiu fazer a primeira refeição do dia mesmo antes de se iniciar a primeira tromba de água com que formos sendo brindados durante o dia.

 

Avançámos então para a subida do vale do camalhão e se eu pensava que a primeira subida tinha sido difícil esta deixou o grupo bem mais ofegante, já que consistiu no equivalente a subir pelas escadas um prédio de 40 andares sem parar.

 

No cimo, já no sopé do borregeiro e com cerca de três horas de andamento começámos a fazer contas. As horas de luz solar já não eram muitas o que a juntar às más condições atmosféricas nos levaram a pensar ser difícil cumprir o percurso conforme originalmente delineado pelo Águia-real. Após alguma troca de ideias dos mais conhecedores daquelas paragens (Medronho, Águia a Real e Urso solitário) optámos por desistir de chegar ao Conho e atalhar para a Rocalva pelo Borrageiro.

 

Assim, e quando alguns julgavam já não ser possível subir mais fizemos o ataque ao borregeiro o que nem custou muito vendo o que já estava para trás. A fraca visibilidade dificultou a localização do trilho que partiria um pouco abaixo do cume do Borrageiro, problema que alguns metros de corta mato rapidamente resolveram. Avançamos ainda um pouco a medo, mas a chegada à Roca Negra permitiu perceber que estávamos no caminho certo. Daí até à Rocalva não demorámos muito e foi possível parar um pouco para almoçar e procurar refúgio na casa ali existente.

 

Nesta altura a ideia inicial de descermos novamente ao Vale Teixeira a corta-mato já tinha sido posta de parte porque a visibilidade era nula. Assim decidimos seguir até ao Arado onde encontraríamos estrada e de onde poderíamos seguir calmamente mesmo que anoitecesse.

 

Saímos da Rocalva de forças retemperadas, cerca das 15h00, e após alguma troca de ideias sobre o melhor caminho a seguir, decidimos usar um trilho já percorrido pelo UPB uns meses antes naquele mesmo local.

 

E o que se seguiu foi certamente um dos percursos mais bonitos que tive a oportunidade de fazer no Gerês. Assim e após subirmos mais um pouco fomos descendo lentamente para sul pela orla da montanha acompanhando o Rio Conho. Nas alturas em que o nevoeiro deixou foi possível descortinar o lindíssimo e imponente vale. Ao fim de cerca de uma hora de caminho encontrámos o estradão que nos levaria até à cascata do Arado. A partir daí foi só seguir até à Pedra Bela de onde após uma pequena paragem encetámos a descida até à Vila do Gerês onde conseguimos chegar pouco depois das 18h00 ainda com Luz.

 

Após as necessárias mudanças de roupa a tradicional sopa foi substituída por uma inexplicável vontade de ingerir papas de sarrabulho (não no meu caso que me fiquei pela sopa quente). Destaque ainda para a bem disposta empregada do estabelecimento que tentou não nos servir mas que acabou por se render às necessidade calóricas de um grupo esfomeado.

 

Passado já um dia sobre a aventura apesar das dores musculares ainda hoje se fazerem sentir a verdade é que um misto de saudade e frustração já povoam os meus pensamentos.

 

Saudade porque para quem gosta do Gerês este é um sentimento que só desaparece quando ali se volta, frustração porque adivinhei a beleza do percurso sem contudo a conseguir ver, embora as constantes descrições do Águia Real e do Urso solitário tenham permitido povoar a minha imaginação com algumas ideias que terão que esperar por melhores dias para serem concretizadas.

 

No final não pude de deixar recordar este trecho do livro “A esmeralda de Garameantes” do Escritor, filósofo, naturalista Theodore Monod, que retrata na perfeição, julgo, o sentimento de vazio do caminhante no fim da viagem:

 

“Assim que o cansaço das tuas caminhadas estiver esquecido começas a sentir falta das tuas rudes etapas, dos teus lábios gretados, dos teus sonos enroscado sob as estrelas. E na primeira oportunidade, tal como eu, voltas a partir…”

 

 

 

 

Duração da caminhada: Cerca de 9 horas

 

Distância percorrida: A doutrina divergiu sobre este assunto mas certamente mais de 20 kms.

 

Caminheiros participantes: Medronho, Águia-real, Ursus Solitarius, Passo Largo, Almocreve, Tourém e os caloiros Senhora do Vale e Saltitão

 

p.s.: Andamos cerca de 25km. Mapa cedido pelo Águia Real

Próxima CAMINHADA dia 3 de Março

medronho

publicado às 08:37

CURRAIS-CONHO-ROCALVA

Continuando a preparação para a subida ao Toubkal, no próximo sábado, voltaremos ao nosso amado Gerês, para uma caminhada de 25 km.

 

Usaremos 2 trilhos bem conhecidos do UPB: o TRILHO DOS CURRAIS e Trilho de subida ao Borrageiro I (via vale da Teixeira).

 

Iniciaremos na Vila do Gerês e subiremos durante 4 km até ao Curral da Lomba do Vidoeiro e passaremos para o vale da Teixeira (Desnível – 600 m em 5 km – 12% inclinação média)

 

Atravessaremos todo este imenso e lindíssimo vale até ao Camalhão e subiremos para o Borrageiro (Desnível – 300 m em 1.5 km – 20% inclinação média). Não subiremos ao Borrageiro mas Seguiremos em frente descendo para o Conho. 

 

Dos prados do CONHO seguiremos para a ROCALVA, onde almoçaremos (Previsão – 3h30)

 

Após o almoço subiremos a ROCA NEGRA e desceremos para o VALE DA TEIXEIRA quase a corta-mato.

 

No vale da Teixeira retomaremos o caminho da subida e faremos o restante Trilho dos Currais, passando a PEDRA BELA e descendo até á vila.

 

Hora prevista de chegada – 17h30

 

 

Aspectos técnicos:

 

Grau de Dificuldade (1 a 5): 4.5 

(pessoas com boa preparação física; não aconselhado a iniciados)

Distancia: 25 km

Tempo previsto: 8h00

Desnível acumulado: 1200 m

Conselho: consultem a tag : “Conselhos úteis” ou “material na mochila”

 

 

Pontos de encontro:

8h50 – Vila do Gerês (Farmácia)

9h00 – INÍCIO

                                   

(peço a v/ atenção para o horário marcado, os constantes atrasos têm tido como consequência o termino após o sol posto – A EVITAR). No entanto, é OBRIGATÓRIO levar FRONTAL.

 

 

Àguia-Real

                       

 

Ps: para + info:

            Conselhos úteis

            http://umpardebotas.blogs.sapo.pt/tag/material+na+mochila

            http://umpardebotas.blogs.sapo.pt/tag/cascata+do+arado

            http://umpardebotas.blogs.sapo.pt/tag/arado

            http://umpardebotas.blogs.sapo.pt/tag/trilho+dos+currais

            http://os-manos.blogs.sapo.pt/5424.html

publicado às 09:58

Tempestade

“Olhou para o mundo em seu redor, como se o enxergasse pela primeira vez. Belo era o mundo! Era variado, era surpreendente e enigmático! Lá, o azul; acolá, o amarelo! O Céu a flutuar e o rio a correr. O mato a eriçar-se e a serra também! Tudo lindo, tudo misterioso e mágico! E no centro disso tudo se achava Siddharta, a caminho de si próprio. Não havia mais aquela multiplicidade absurda, casual, do mundo dos fenómenos, desprezada pelos profundos pensadores brânames, que rejeitam a multiplicidade e esforçam-se por achar a unidade. O sentido e a essência das coisas não se achavam em algum lugar atrás das coisas, senão no seu interior”.

In Siddharta – Herman Hesse

 

 

Como é que hei-de chamar a este testemunho?

As ideias ainda correm cá dentro à mesma velocidade com que os quilómetros eram comidos na nossa corrida para o cume da serra.

O Porto e a sua rotina ao ritmo de “canto chão” já tinha ficado para trás. Agora era só o gigante do planalto à nossa espera, e nós a caminhar para lá, tal como os três cavaleiros do apocalipse acompanhados da sua Guinevére (que tal querida Nogueira?)

As conversas no caminho discorriam, alegre e naturalmente. O sentimento de cumplicidade era cada vez maior. A linguagem era a mesma. As sensações, os desejos, naquele momento entre nós os quatro, fazia lembrar quatro caminhos de vida que por alguma razão se uniram por alguns momentos.

 

A pontualidade foi praticamente alemã. Às 14h30 de sábado lá estávamos nós já equipados, demasiado para dizer a verdade, e que se traduziu em carga a mais, como depois se chegou a perceber... tarde de mais. A subida foi calminha desde o Covão D’Ametade até à Nave de Stº António, ainda por entre pinheiros com ramos pesados de NEVE.

A visitar e pernoitar no Covão D’Ametade, aconselho vivamente no Verão. Aquele sítio mais não é do que um leito suave e paraíso de escaladores de um dos maiores desafios que Portugal Continental tem em termos de escalada – os Cântaros. A vista que se tem sobre o vale glaciar é fantástica! Dá que pensar, o tempo e a paciência milenar que é necessário para suavizar aquele vale.

Do lado oposto temos a Nave de St. António, que faz mais lembrar um planalto alisado pela mão, recortado por pequenos ribeiros, de água que não pára nunca de correr. A vegetação aqui já só é rasteira, e de tonalidades amarelas. Atravessar aquela “mesa” foi apenas o corolário do que nos esperava. Subir do Covão do Ferro até à Torre. São só cerca de 600 mts de desnível, autenticamente conquistados, pela vertente sul.

ÀS 15h45 estávamos a iniciar a subida a partir do Covão do Ferro, com a sua pequena albufeira e último elemento humano que voltamos a ver nesse dia. A partir daí, a concentração de aguentar a subida até ao topo tomou completamente conta de nós. Colocar o pé na pedra certa, ou no degrau de neve já calcado pelo companheiro da frente. Ainda deu para olhar para trás e ver apenas... cinzento chumbo. Eram montes facelados e abruptos, e um céu que já se escondia por detrás de um nevoeiro que descia rapidamente e envolvia suavemente todo o vale. Do sol já não havia imagem, apenas reflexos e recordações.

A visão que ainda alcançávamos incluía também a estrada por baixo, ao longe, desde os Piornos e contornava a Nave, desaparecendo em seguida quase imperceptivelmente, iluminada por uma cobra de luzes, de automóveis “acotovelando-se” com ânsia de alcançar a torre. 

Às 16h30 ainda estávamos na penosa subida e a escuridão já tomava conta do ambiente. Aos 1.700 mts de altitude e a cerca de 45 minutos do local de pernoita, o nevoeiro era cada vez mais intenso e cerrado limitando-nos cada vez mais a caminhada. A juntar a este ingrediente, o vento de noroeste vinha misturado com neve miúda que batia no rosto, como se fossem autênticas agulhas. O piso além de rochoso, era cada vez mais branco. Benditas polainas... benditas botas... benditos bastões..., benditos crampons... Bendita Tempestade!

É impressionante, com o nevoeiro no final de tarde, com vento e neve à mistura, à medida que o grupo se começa a partir, conseguir seguir o rasto do grupo à frente torna-se de facto tarefa complicada. Basta que nos desviemos apenas 2 mts para o lado e deixamos imediatamente de ter noção do percurso a seguir. Não só porque deixamos de conseguir ver para além de 20 a 30 mts de distância, mas também porque rapidamente deixamos de conseguir ver o trilho no chão.

Acredito que nesta altura da caminhada para a nossa Guinevére a caminhada já não era só um desafio mais a transpor... Grande espírito de perseverança Nogueira! Na falta de melhor alternativa fomos partindo o nosso grupo UPB em três por forma a conseguir manter o contacto visual com o resto da comitiva, até que um dos companheiros acabou por nos acompanhar com contacto via rádio. Ideia genial, mas que já tardava.

A expectativa de alcançar o local de acampamento acabou por ficar gorada. E assentamos arraiais às 17h20, já praticamente sem luz a cerca de 200 mts da torre aos 1880 mts de altitude. O vento batido com neve dava a sensação de estarmos com temperaturas mais baixas. Afinal estávamos apenas a – 2 graus. Só? Alguém perguntou.

As tendas foram montadas à velocidade que as nossas enregeladas mãos permitiam e conforme o vento nos dava algumas tréguas.

A ementa do grupo UPB nessa noite: café, chá, SOPA e para quem ainda aguentou o 2º prato, massa napolitana! HUMMMM.  Só faltou o cacau quente. Frugal? Nem por isso, antes pelo contrário, um excelente repasto e depois de nos reconfortarmos durante 2 horas ou talvez mais - aqui o tempo torna-se impreciso -, dentro de uma tenda que já pingava (literalmente), não pela água que vinha do exterior, mas por causa do vapor de água que não saía do interior, o corpo agradecido queria descansar. As boas noites foram dadas ao tiritrar de dentes e com a última dose de coragem do dia, para enfrentar o vento gélido da noite, que era quase ensurdecedor em condições normais de conforto.

Recordo que antes de adormecer ficou-me suspensa no ar (talvez também congelada) aquela típica pergunta. O que motiva um grupo de pessoas a desinstalar-se do seu meio e vir dormir no alto da montanha no meio da tempestade, cuja única protecção é uma fina camada de tecido seguro por uma corda e uns ferros espetados no chão e um saco cama? Talvez seja isso mesmo... “desinstalar-se” de tudo. Do que se carrega diariamente e que de facto pouca ou nenhuma falta faz. Foi isto que ali, em certa medida, conseguimos “provar” a nós mesmos, cada um à sua medida. Desprender-se do que é supérfluo.

Por volta das 4h30 da manhã o frio era já de tal forma desconfortável que nem os três pares de meias me valiam. À procura do 4º par de meias de lã, apenas encontrei gelo. Estavam geladas e duras... nada feito. A seguir fui à procura da alternativa, o chá feito nessa manhã que ainda tinha no termos quentinho quando tinha pousado a tenda. Mas aquela hora já só tinha Ice tea. Não, não era nada daquilo que eu queria. Moncalvo? Quando foi isso? Já não me lembro de nada...

Às 7h30 da manhã depois de uma noite então “tranquila”, a saída para o exterior da tenda foi mais uma surpresa. O silêncio branco em contraste com o azul forte do céu era soberbo! As tendas, os bastões, tudo estava gelado. Até as cordas das tendas que deviam estar tensas, eram uma linha grossa de neve dura.

Até à torre foram apenas mais 20 minutos debaixo de um sol  fantástico. Às 9h30 estávamos a passear quão turistas por um autêntico estardalhaço de automóveis e autocarros, enquanto que o polícia procurava eufórica e desesperadamente manter alguma “ordem” naquilo. A nossa comitiva de mochilas às costas fugia em passo largo em direcção novamente à paz branca.

O que procura tanta gente naquele local? Um centro comercial na torre para ser alternativa ao que têm quase à porta de casa? Terão saudades das filas de trânsito que lhes “alimenta” o quotidiano nas cidades, como se fosse algo que lhes suga o tempo precioso de vida, mas que se teima em manter para onde quer que se vá, porque jã não se sabe viver sem urbanismo? De facto, há razões que a própria razão desconhece. E o homem é o melhor exemplo disso.

De novo o silêncio... branco agora em contraste com um azul forte e frio do céu.

A seguir foi só descer... em cima de neve. Muita neve, macia e seca. As refeições foram-se fazendo à medida que chegávamos a pontos estratégicos. Espinhaço de Cão, onde nos cruzamos com outro grupo no sentido contrário e Vale da Candeeira, este já sem neve. Onde nos cruzamos com o pessoal das paletes... e dos carvalhos cujo objectivo era plantar no numero de mil! Bonito gesto naquela zona que em tempos já teve também muita arborização.

A Serra da Estrela merece. Merece a visita de pessoas que a visitem e a tratem bem. Merece ser reconhecida não só por se tratar da montanha mais alta de Portugal Continental, mas pelas suas características endémicas, morfologia, fauna e flora e que se perde com a actual inconsciência do homem. A sua avidez por interesses mais rentáveis é desmesurada. E acabamos por ter como resultado por exemplo uma saturação das estradas ao maciço central, projectos turísticos megalómanos, apenas para conseguir aumentar o numero de camas, alegadamente em prol da economia local, com mais postos de trabalho e por conseguinte trazer mais turismo para esta zona do interior do país? É isto civilização? É isto planeamento racional das infra-estruturas, interferindo o mínimo possível com o habitat natural que se quer “pseudo” manter?

 

Grande espírito de companheirismo entre este pequeno grupo do UPB. Águia Real, grande observador, é um excelente companheiro de caminhadas e de uma amizade fiel, como não é comum ver hoje em dia. Zimbro Vermelho, de uma acuidade silenciosa, mas muito fiel. Gosto quando vai comigo atrás. As suas histórias são fantásticas, e da forma tão própria como ele as sabe contar. Nogueira, vergo-me perante a tua força de vontade. Foste tu mesma, com a tua simplicidade e o teu sorriso fácil. A caminhada correu bem porque tu estavas presente. A única mulher do grupo de 18 caminheiros!!

De facto percebe-se que o UPB é feito de gente que corre na mesma direcção e luta por alguma coisa melhor. Este companheirismo está firme e vê-se que o espirito de grupo criou raízes bem fortes.

 

 

Tempestade

 

publicado às 11:23

Mais sobre mim

imagem de perfil

AGENDA MENSAL

JANEIRO

4 SERRA DO XURÉS

11-12 SERRA DA ESTRELA

18 LIXA

FEVEREIRO

1 SERRA DO GERÊS

22 CARNAVAL UPB

29 CERVEIRA

MARÇO

7 SERRA D'ARGA

14 SERRA DO GERÊS

20 ANIVERSÁRIO UPB

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Mensagens

subscrever feeds

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.